Começo de uma nova era na publicidade digital

Buscar

Começo de uma nova era na publicidade digital

Buscar
Publicidade

Opinião

Começo de uma nova era na publicidade digital

Abordagem progressiva do Google quanto ao fim dos cookies permitirá análise mais aprofundada de seus efeitos e melhorias contínuas no processo


24 de janeiro de 2024 - 15h30

O ano começou com o fim de uma era. E, o nascimento de outra. No último dia 4 de janeiro, ao anunciar a desativação de 1% das extensões da base de usuários do Chrome, o Google deu início a uma mudança que vai revolucionar a publicidade digital no mundo inteiro. Literalmente. Previsto para 2022, e, depois adiado para o ano passado, o início do fim começou, de fato, junto com 2024. O Business Insider já havia dado a notícia com exclusividade. O movimento é parte de um projeto ambicioso que, segundo informações oficiais, visa eliminar de modo gradual o uso de cookies de terceiros em campanhas online, marcando o fim de uma era na forma como os dados são coletados e utilizados no mundo digital.

A decisão do Google de começar com apenas 1% das extensões, segundo a própria big tech, tem o intuito de avaliar os impactos da transição nos publishers e nos anunciantes. Essa abordagem progressiva, em tese, permitirá uma análise mais aprofundada dos efeitos, proporcionando ajustes e melhorias contínuas no processo, conforme necessário. O objetivo final, de acordo com a gigante de tecnologia, é criar um ambiente mais transparente, ético e centrado na privacidade para os usuários da web.

Os cookies de terceiros têm sido um elemento coringa na publicidade digital há anos, permitindo rastrear o comportamento do usuário e oferecer anúncios mais personalizados. No entanto, a prática gerou discussões acaloradas e preocupações legítimas sobre privacidade e segurança, resultando em uma crescente pressão para a adoção de medidas mais rigorosas de proteção de dados.

Um estudo realizado pelo próprio Google numa parceria com o Boston Consulting Group revelou que, ainda que 2/3 dos consumidores queiram ver anúncios relevantes, quase metade deles se sente desconfortável com o uso dos próprios dados para essa personalização. A mesma pesquisa também mostrou que 64% dos usuários alegam não confiar em empresas para proteger os seus dados pessoais e garantir a sua privacidade online.

Aqui, o paralelo com a mídia programática é inevitável, visto que a mudança terá um impacto direto e profundo nesse modelo de publicidade. A mídia programática, que depende fortemente da segmentação precisa e em tempo real, tem sido impulsionada pelos cookies de terceiros. A eliminação gradual significa que os profissionais de marketing precisarão se adaptar a novas abordagens para atingir os objetivos das campanhas, e, em última instância, os seus público-alvo.

Um dos principais desafios será, justamente, a necessidade do desenvolvimento de métodos alternativos de segmentação que respeitem a privacidade dos usuários. Técnicas como agregação de dados, aprendizado de máquina federado e identificadores unificados, na minha avaliação, ganharão destaque. São abordagens que buscam manter a eficácia da publicidade direcionada sem comprometer a privacidade dos indivíduos, representando uma mudança necessária e positiva no ecossistema publicitário.

Novos horizontes

A utilização de novas estratégias, sobretudo as de contextualização e geolocalização, serão uma forte tendência na mídia programática para 2024. Acredito que três atitudes poderão ajudar a adaptar as campanhas para o pós-fim dos cookies. E, para as campanhas do futuro:

#1 – Foco em First Party: com as restrições crescentes à privacidade do usuário e as regulamentações rigorosas, a utilização de dados primários (First Party) emerge como uma estratégia crucial para os profissionais de mídias. Ao concentrar-se na obtenção de dados diretamente dos usuários por meio de interações em seus próprios canais, as organizações podem construir perfis mais confiáveis e personalizados. Nesse contexto, os Customer Data Platforms (CDP) tornam-se instrumentos fundamentais, possibilitando a integração e análise abrangente de dados First Party. Essa abordagem não apenas se alinha com as preocupações crescentes de privacidade, mas também fortalece a relação entre empresas e usuários ao fornecer experiências mais relevantes e personalizadas, sem depender excessivamente de mecanismos de terceiros.

#2 – Automação, modelagem e aprendizado de máquina: fornecer inteligência de dados, seja por dados primários ou por sinais contextuais, e ensinar a máquina a reconhecer padrões, é a solução que ajudará a ter escala, algo importantíssimo no novo cenário de escassez de dados.

#3 – Aposta em novas tecnologias de preservação de privacidade: são tecnologias em franco desenvolvimento, mas que, a médio e longo prazo, vão substituir definitivamente os cookies de terceiros. Devem, contudo, ser usadas de maneira conjunta às demais estratégias.

O consentimento do usuário e a criatividade no centro da estratégia

A transição para um ambiente sem cookies de terceiros enfatiza a importância crescente do consentimento do usuário. As marcas terão que se esforçar para criar campanhas ainda mais envolventes e relevantes, incentivando os usuários a compartilharem voluntariamente informações sobre suas preferências. Essa nova abordagem coloca a qualidade do conteúdo e a criatividade no centro da estratégia de publicidade.

Enquanto alguns podem ver o fim dos cookies de terceiros como um desafio, é fundamental reconhecer a oportunidade que essa mudança apresenta. A publicidade digital está evoluindo para um modelo mais transparente, ético e centrado no usuário. Os anunciantes e publishers que abraçarem essa transformação e investirem em estratégias inovadoras serão os verdadeiros beneficiários dessa nova era. (Re)Nascerão junto com ela.

Publicidade

Compartilhe

Veja também