Educação expande uso da gamificação no aprendizado

Buscar
Publicidade

Notícias

Educação expande uso da gamificação no aprendizado

Instituições como o Colégio Bandeirantes e o app Duolingo usam plataformas para aprimorar o ensino

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


18 de outubro de 2022 - 6h03

Tecnologia ajuda a desenvolver métodos eficientes de gamificação nos estudos (Crédito: Garagestock/shutterstock)

Segundo o dicionário online Priberam, gamificação, palavra que vem do inglês gamification, é o uso de técnicas de jogos em outros campos de atividade. Essa técnica pode ser utilizada em diversas áreas do cotidiano como em marketing digital, processos seletivos, avaliação de performance no trabalho e na educação. No entanto, usar jogos como parte do sistema de ensino não é algo novo. Antes mesmo da expansão da internet das coisas (IoT) e do uso de apps, jogos de tabuleiro já eram inseridos em dinâmicas escolares. A evolução tecnológica ajudou essa técnica a se tornar algo mais eficiente e mensurável.

Ainda que existam algumas questões sobre como essa ferramenta pode ajudar no acompanhamento do progresso do aluno, ou mesmo em como transformá-los em ferramenta avaliativa, a coordenadora de espanhol do Colégio Bandeirantes, Rosemeire da Silva Carriel, afirma que os jogos ajudaram as instituições a pensar em mudanças de paradigmas na educação e na concepção de novas estratégias de aprendizado.

No estudo de idiomas, o ambiente gamificado tem se tornado aliado até mesmo para adultos que querem aprender uma nova língua. O Duolingo é um exemplo de como esse processo pode ser facilitado pelo uso dos conceitos de jogos. A diretora de marketing da plataforma no Brasil, Analigia Martins, explica que o aplicativo ajuda a desenvolver novo hábito de ensino.

Técnicas de gamificação

Assim como nos jogos, existem diversas categorias que podem ser replicados nos sistemas de ensino. Memória, RPG, storytelling, entre outros. Todos esses modelos são usados para desenvolver habilidades em quem está jogando, como explica Rosemeire, do Bandeirantes. “Um jogo bem escolhido, para o trabalho em sala de aula, pode levar à aquisição de habilidades variadas, sejam didático-pedagógicas e/ou socioemocionais, já que muitos jogos apresentam dilemas éticos e situações problema que estimulam valores como empatia, criatividade e convivência positiva”, explica.

A coordenadora conta que, no colégio, para a aula de espanhol, os professores trabalham com um jogo desenvolvido pelo departamento, que aborda questões como aspectos multiculturais, históricos e geográficos no ensino do idioma por meio de aplicativo que permite que os estudantes viagem por países que falam espanhol, conhecendo, dessa forma, todos os aspectos e cenários desses lugares.

Já o Duolingo usa modelo envolve recursos utilizados para atrair a atenção de crianças, adolescentes e adultos. Além dos recursos competitivos, a plataforma desenvolveu uma técnica de gamificação, inteligência artificial (IA) e machine learning para ensinar idiomas para os alunos. “Aliamos essas três partes com a participação de cientistas de aprendizagem e especialistas em linguística, que aplicam sua expertise para aprimorar as ferramentas tecnológicas do app, e vice-versa”, afirma Analigia.

Com isso, para ambas as profissionais, a tendência é que a tecnologia seja aliada no processo de gamificação do sistema de ensino, podendo ajudar no desenvolvimento de habilidades. “Acreditamos que essa metodologia pode ser aplicada em outras áreas de ensino e estamos expandindo para além do aprendizado de línguas”, diz a diretora de marketing do Duolingo.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Vidmob: como aumentar o desempenho do Reels no Instagram e Facebook?

    Vidmob: como aumentar o desempenho do Reels no Instagram e Facebook?

    Miguel Caeiro, head Latam da Vidmob, dá detalhes sobre isso e como a IA pode ajudar as marcas na estratégia de aumentar o ROI

  • RD Station: 55% dos profissionais de marketing já usam IA

    RD Station: 55% dos profissionais de marketing já usam IA

    Pesquisa da empresa com apoio da Totvs, RD Station Conversas, Exact Sales e Lexos ouviu mais de três mil pessoas que trabalham na área e em vendas