Eu erro, tu erras, ele erra. Mas pode mesmo errar?

Buscar
Publicidade

Opinião

Eu erro, tu erras, ele erra. Mas pode mesmo errar?

Em vez de perder tempo buscando culpados, as empresas devem direcionar seus esforços para a resolução de problemas, aprendizado contínuo e progresso


31 de outubro de 2023 - 6h03

(Crédito: GoodStudio/Shutterstock)

Um dos maiores desafios que tenho observado hoje, na construção de uma empresa que a cultura organizacional esteja voltada para inovação, é lidar com o erro.

Fomos ensinados ao longo de nossa trajetória profissional que a alta performance e o perfeccionismo andam lado a lado, em uma relação tantas vezes tóxica. Todo grande executivo já teve pesadelos pensando em como uma falha pode colocar em jogo todo o seu legado e reputação. Um olhar muito centrado no indivíduo e pouco no coletivo.

No contexto atual do mundo, cada vez mais complexo, uma abordagem fundamental para o sucesso das empresas é a sua capacidade de se desafiar, inovar, evoluir o status quo. É frequente que os manuais de cultura ou até os adesivos de elevador da sua empresa estejam reforçando que todos ali estejam dispostos a errar, testar e aprender. Mas por que você ainda sente medo?

Este é um ponto que convido à reflexão: será que no mercado corporativo, competitivo, e implacável, por mais que coletivamente a discussão sobre o erro seja normalizada, individualmente ainda estamos mais preocupados em buscar e punir o culpado?

É só fazermos um pequeno exercício: quando nos deparamos com uma situação que envolve uma tomada de decisão errada, com consequências difíceis de serem gerenciadas, qual é nossa primeira pergunta? Quem fez ou o que iremos aprender com isso?

Quando existe o conceito de responsabilidade compartilhada, o pensamento está mais pautado na construção coletiva, e isso promove a tomada de decisões ponderadas e ações construtivas. Quando os membros da equipe se sentem seguros para admitir erros e compartilhar responsabilidades, eles podem trabalhar juntos para resolver problemas de forma mais eficaz. Isso cria um ambiente no qual as lições são aprendidas, o crescimento é incentivado e o sucesso é mais provável.

A disposição de assumir responsabilidades em vez de procurar culpados ajuda não só a propiciar um ambiente acolhedor, mas a possibilitar aprendizagem coletiva e crescimento organizacional.

Quando os funcionários sentem que podem assumir responsabilidades sem medo de retaliação, a confiança se fortalece. Isso é essencial para construir equipes coesas e motivadas, onde os colaboradores se sentem valorizados e respeitados. A confiança é a base de relacionamentos saudáveis e produtivos no ambiente de trabalho.

A cultura organizacional que promove a responsabilidade não apenas melhora a tomada de decisões e a eficácia, mas também constrói uma equipe confiante e inovadora. Em vez de perder tempo buscando culpados, as empresas devem direcionar seus esforços para a resolução de problemas, aprendizado contínuo e progresso. Assumir responsabilidades é o caminho para um futuro corporativo mais brilhante e sustentável.

Publicidade

Compartilhe

Veja também