Marketing ganha relevância como hub de contingência

Buscar

Marketing ganha relevância como hub de contingência

Buscar
Publicidade

Marketing

Marketing ganha relevância como hub de contingência

Diante da instabilidade, área cumpre papel de apontar caminhos, criar alternativas e preservar processo criativo das equipes


24 de março de 2020 - 6h00

Não há uma área sequer das empresas que, neste momento, não estejam afetadas pela crise em decorrência da pandemia do novo coronavírus. O marketing, no entanto, possui uma responsabilidade estratégica, na medida em que é um dos mantenedores da empresa em funcionamento. Neste contexto, em que contingência se tornou uma palavra cada vez mais comum, a área passa a ter papel estratégico por ter o contato direto do pulso da empresa com a mudança e os anseios dos consumidores em um momento tão complexo.

Gabriela Viana, diretora de marketing da Adobe para a América Latina, afirma que o papel de todas as áreas da empresa, inclusive do marketing, é de apontar caminhos e pensar em alternativas. “Esse é um contexto completamente atípico e que pede criatividade e, principalmente, sensibilidade com equipes e clientes. Talvez seja cedo para falar em lições, mas temos vivenciado momentos muito positivos com o fato de que as famílias estão em casa e não só os funcionários em ‘home office’. Nós sabíamos fazer home office em um mundo onde o trabalho era dentro de casa, não a casa dentro do trabalho. Nesta semana, tivemos nossos primeiros dias de ‘tudo junto e misturado’. É uma experiência que tem nos humanizado e nos aproximado.”, diz Gabriela.

Bob Wollheim, Chief Strategy Officer da consultoria CI&T, reforça que marketing em tempos de coronavírus deve refletir empatia. “Naturalmente, o marketing precisa ser parceiro do negócio e das pessoas em torno dos negócios. Isso vale sempre, mas neste momento há uma chamada especial. Isso significa muitas coisas além do ‘marketing’, como propor ações para a empresa, tomar a frente, ter atitude, se posicionar dentro e fora, e não ter medo de colocar e fazer o que a seriedade do momento pede.” Segundo Wollheim, empresas que tomarem as atitudes corretas de respeito à gravidade do momento serão aquelas que sairão mais fortes de tudo isso.

“Não é hora nem de oportunidades e muito menos de oportunismo. É hora de comprometimento, de senso de realidade, de parceria com a empresa, suas pessoas, seus clientes e seus parceiros, com a sociedade. Eu provocaria mais: a missão dos profissionais de marketing, além das responsabilidades que menciono acima, é de ajudar a resgatar o ser humano, o respeito, a empatia, a esperança, o amor. Sem isso, seremos pouco. Com isso, seremos fortes, ajudamos a sociedade e cumprimos um papel no mundo”, reforça Wollheim.

Fernando Viela, CMO e head de growth da Rappi, entende que esse é o momento de o marketing e as empresas serem efetivamente úteis e mostrarem como podem contribuir com a sociedade como um todo. “Não é hora de “fazer marketing” e, sim, praticar — de fato — a missão da sua marca. E acredito que o mercado tem entendido isso, pois mesmo com o cenário instável que estamos vivendo, vemos iniciativas incríveis surgindo, deixando mais claro o propósito das companhias. Exemplo disso é a Ambev, que alterou sua linha de produção para produzir álcool em gel, e até mesmo o grupo LVMH que anunciou medida similar”, defende.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Coca-Cola e Marvel: collab apresenta embalagens dedicada aos fãs

    Com 36 ilustrações diferentes de personagens nas latas de refrigerante, os consumidores poderão ter a experiência de realidade aumentada

  • Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Menos da metade da geração Z consome bebidas alcoólicas

    Estudo da MindMiners revelou que a tendência de mudança de comportamento está relacionada a fatores como falta de interesse e sabor das bebidas