Meus dez mandamentos

Buscar
Publicidade

Opinião

Meus dez mandamentos

Separar o pessoal do profissional é fundamental para um julgamento isento no trabalho — o que não é fácil quando se lida com algo tão apaixonante quanto o futebol


12 de junho de 2018 - 15h22

Filme da Coca-Cola para a Copa do Mundo (Crédito: divulgação)

No dia 9 de junho de 2006 eu estava na Allianz Arena em Munique para a partida de abertura da Copa do Mundo da Alemanha. Depois de trabalhar por mais de três anos desenvolvendo a campanha global da Coca-Cola, o evento finalmente iria começar.

A partida de abertura era entre a dona da casa e a Costa Rica. Eu, como a maioria dos brasileiros, era Costa Rica desde criança. Seria ótimo começar a Copa com uma zebra daquelas, vendo a Alemanha perder em casa.

Eu esperava a chegada de Neville Isdell, o então CEO da empresa, na entrada do camarote VIP da Fifa. Lá dentro, estavam as pessoas que mandavam no futebol mundial, a maioria dos CEOs dos patrocinadores, ex-jogadores e muitos amigos dos amigos.

Quando Mr. Isdell chegou, sempre muito amável e educado com todos, recebeu rapidamente um briefing do que encontraria no camarote. Antes de entrar, perguntou: Quem ganha hoje? Sem titubear, respondi: Costa Rica, claro!

Imediatamente percebi que a resposta não caíra bem e, por um instante, achei que ele tinha alguma ascendência alemã.

Somos patrocinadores de ambas as seleções e temos de apoiá-las igualmente, ele disse. Não importa quem ganhe, a comemoração será com muitas Coca-Colas.

Nesse momento caiu a ficha. Eu não estava lá como torcedor e minhas preferências futebolísticas, além de irrelevantes, deveriam ficar só para mim mesmo. Como executivo, deveria torcer pelo negócio e não pelos times.

Esse foi um erro básico, mas a lição que aprendi aquele dia me ajuda até hoje. Separar o pessoal do profissional é fundamental para um julgamento isento no trabalho. Algumas vezes isto não é fácil. Ainda mais quando trabalhamos com algo tão apaixonante quanto o futebol.

Quando você estiver lendo este artigo, eu estarei trabalhando na Rússia. Todos os 35 dias que passarei por lá, lembrarei da lição que aprendi com meu ex-CEO: os interesses da empresa sempre devem vir antes das preferências pessoais.

Fazer parte de um projeto como Copa do Mundo é um privilégio. Mas para ter sucesso e atingir os resultados de negócio esperados, não basta trabalhar duro; é preciso seguir algumas regras. Estes são os meus dez mandamentos para ter sucesso trabalhando nos eventos esportivos:

1. Não interagirás com o telão: se estiver a trabalho no jogo, nada de fazer dancinha ou coreografias. Se a câmera do beijo aparecer, foque no celular.

2. Não usarás o uniforme do seu time: ver futebol de terno e gravata não é fácil, mas na maioria das vezes é necessário. Muitas reuniões acontecem nos estádios antes e depois das partidas. Lembre-se que você representa a sua empresa.

3. Não pintaras o rosto: você não pinta o rosto no escritório, certo? Não estou falando de maquiagem. Então, por que pintaria em um jogo onde você está trabalhando?

4. Não pedirás autógrafos nem tirarás selfies: provavelmente uma das regras mais difíceis de resistir nestes tempos de mídias sociais. Como contratamos muitos atletas, melhor não entregar que você é seu fã. Depois, como você vai negociar aquele contrato com dignidade?

5. Não farás a “Hola”: evite manifestações de torcedor quando você estiver a trabalho. A regra vale também para as palmas coreográficas da torcida da Islândia.

6. Não consumirás álcool na área VIP: beber no trabalho é o caminho mais rápido para passar vergonha, ainda mais na área VIP. Na dúvida, vá de Coca-Cola.

7. Não desrespeitarás os outros patrocinadores: respeite para ser respeitado. Em um evento patrocinado pela Adidas, evite a concorrência no seu uniforme.

8. Não farás previsões de placar: não caia na armadilha que eu caí. Resista à tentação e diga que, para o bem de sua empresa, prefere que o país que tem o maior impacto no seu negócio ganhe.

9. Não tratarás o trabalho do escritório com descaso: o trabalho do escritório não termina porque você está em um evento. Entre reuniões e durante jogos, sempre há tempo para telefonemas e e-mails.

10. Não distribuirás ingressos para os amigos: imoral e ilegal segundo o código de conduta das empresas patrocinadoras. Nesse caso, é melhor perder o amigo que o emprego.

O terno e a gravata já estão preparados. A camisa e a bandeira do Brasil, que serão devidamente escondidas, também. Afinal, ainda não há nenhuma regra que proíba torcer em silêncio, mesmo quando estamos trabalhando. Boa Copa para todos nós.

Publicidade

Compartilhe

Veja também