As holdings de comunicação e o abandono das operações na Rússia

Buscar

As holdings de comunicação e o abandono das operações na Rússia

Buscar
Publicidade

Comunicação

As holdings de comunicação e o abandono das operações na Rússia

Dentsu se junta a WPP, Interpublic, Accenture e Publicis Groupe e deixará de ter escritórios e operação no país


16 de março de 2022 - 18h18

(Crédito: Shutterstock)

Com informações do Ad Age

Por meio de um comunicado divulgado já nesta quinta-feira, 17 (já no fuso horário de Tóquio, onde se localiza a sede do grupo) a Dentsu foi a última das grandes holdings de publicidade a anunciar que está se preparando para encerrar sua operação na Rússia.

A Guerra na Ucrânia, que já dura 21 dias, afetou as estratégias e o posicionamento das grandes companhias de comunicação e fez com que WPP, Interpublic, Publicis Groupe decidissem encerrar a operação das agências e empresas que mantinham no país. A forma pela qual essa saída do mercado russo está sendo feita varia de uma holding para outra.

A Dentsu, por exemplo, trabalhava na Rússia por meio de uma joint venture com uma empresa local e irá transferir sua participação na operação para essa companhia russa. De acordo com o grupo, 1500 funcionários trabalham nos negócios dessa joint venture na Rússia.

A holding japonesa também disse que está tomando medidas para garantir a segurança dos funcionários e familiares dos cerca de 500 colaboradores que atuam na Ucrânia. A companhia relata que as atividades no país já foram suspensas e que “está fornecendo transferência familiar, suporte jurídico e de moradia para esses funcionários, juntamente com oportunidades de emprego em outras empresas Dentsu de outras regiões.”

Uma estratégia semelhante em relação à atuação na Rússia foi anunciada pelo Publicis Groupe, que decidiu passar o comando local de seus negócios para Sergey Koptev, chairman e fundador da Publicis Rússia. A holding disse que estava transferindo sua participação ao executivo com a condição de que fossem garantidos os empregos dos funcionários da empresa.

“Desde o início da invasão, estamos trabalhando na ideia de sair da Rússia por condenamos fortemente a agressão unilateral contra a Ucrânia. Estamos comprometidos a tomar fortes ações que respondam à gravidade da situação. Mas estivemos determinados em levar o tempo necessário para ter uma solução que verdadeiramente privilegiasse as pessoas, porque os 1200 funcionários que temos na Rússia são nossas pessoas também. Não poderíamos simplesmente abandoná-los. Ao ceder o controle de nossa operação na Rússia a Sergey, estamos assegurando um futuro a nossas colegas enquanto, imediatamente, interrompemos toda as nossas operações, engajamento e investimentos na Rússia”, declarou Arhtur Sadoun, CEO & chairman do Publicis Groupe, em comunicado.

Coragem e resiliência
No dia 4 de março, o WPP anunciou que encerraria as atividades dos escritórios russos da VMLY&R, Wunderman Thompson, GroupM e de outras redes que mantinha no país. Ao todo, a companhia contava com 1400 funcionários. Ofereceremos apoio a eles e trabalharemos muito próximos aos nossos clientes e parceiros à medida que descontinuamos as atividades no país”, explicou a empresa.

A holding lamentou o impacto que o encerramento das atividades teria na vida dessas pessoas e também agradeceu à equipe do WPP na Ucrânia, que demonstrou “coragem e resiliência extraordinárias” em face do ataque que a nação estava recebendo.

No mesmo dia do WPP, a Accenture também tomou a decisão de encerrar todas as atividades que mantinham na Rússia como uma resposta aos ataques realizados na Ucrânia. A companhia prometeu dar suporte financeiro aos 2 mil funcionários que perderam seus empregos e disse que destinaria US$ 5 milhões para apoiar organizações humanitárias que estavam auxiliando os refugiados das regiões de conflitos.

Nesta segunda-feira, 14, o Interpublic também comunicou o encerramento das atividades de MullenLowe, McCann, FCB e outras empresas na Rússia. O CEO da companhia, Phillippe Krakowsky, afirmou que a holding deixaria a país com capital suficiente para pagar aos funcionários por, no mínimo, seis meses. O Interpublic contava com 200 pessoas trabalhando na Rússia.

Por enquanto, a única das granes holdings de comunicação que não anunciou um posicionamento sobre a manutenção ou saída da Rússia foi o Omnicom. No país, a companhia possui escritórios da TBWA, DDB e OMD.

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Enterogermina reforça cuidado com saúde intestinal em Renascer

    Estratégia de marketing da marca de Consumer Healthcare da Sanofi, cocriada com a Globo e a agência WMcCann, envolve um novo modelo de merchandising

  • Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Cif aproveita BBB para reforçar mensagem sobre limpeza

    Marca usa estreia no reality show, com festa patrocinada, para promover campanha destacando as propriedades dos produtos