Live shopping: o que é, como funciona e porque fazer?

Buscar
Publicidade

ProXXIma

Live shopping: o que é, como funciona e porque fazer?

Executivas da Mimo Live Sales falam sobre os objetivos de live shopping e como a ferramenta pode ser usada pelas marcas

Preencha o formulário abaixo para enviar uma mensagem:


19 de outubro de 2022 - 6h00

Live shopping

Pesquisa aponta que as lives shoppings devem gerar US$ 600 bilhões em todo o mundo até 2027 (Crédito: Shutterstock)

Segundo dados da Research and Markets, as lives shoppings devem de gerar US$ 600 bilhões em todo o mundo até 2027. Também conhecida como live commerce, a estratégia de divulgar e vender produtos através de vídeos ao vivo surgiu na China em 2014 e se popularizou em 2017. A ideia da ação é aproximar os consumidores da marca, tornando a compra pelo e-commerce mais intimista e trazendo a oportunidade de conhecer melhor o público. Durante a transmissão, os clientes podem ver os produtos, interagir no chat, tirar dúvidas, colocar itens no carrinho, garantir descontos e mais.

O live shopping vem evoluindo ao longo dos anos e se expandindo pelo mercado. Em janeiro deste ano, o Magazine Luiza incluiu pela primeira vez o live shopping em sua Liquidação Fantástica. Apesar de ter sido a 29ª edição do evento, que já inclui o live streaming desde 2014, neste ano foi a primeira vez que os consumidores poderiam comprar sem sair das redes sociais. A despeito de a estratégia ter ser se popularizado no varejo de moda e beleza, é adotado por diferentes segmentos, passando até mesmo pelo automotivo e  incorporadoras.

Por que fazer uma live shopping?

Monique Lima, cofundadora e CEO da Mimo Live Sales, afirma que o live commerce é visto como escalador de vendas digital. Na ação, Monique aponta que é possível reunir muitas pessoas, em curto espaço de tempo e com senso de oportunidade muito grande. “Para o consumidor, é oportunidade de garantir o item em condição melhor, além de conseguir comprar de dentro da loja como se estivesse lá, mas direto do celular. Para a marca, é a venda em escala. Em uma única hora, você coloca mil, cem mil pessoas numa live. Imagina isso em uma loja?”, ressalta.  

A executiva comenta que a live shopping é a melhor forma de humanizar o e-commerce. Segundo dados da Wyzowl, 96% dos usuários assistem um vídeo de explicação para entender melhor sobre um produto ou serviço, 84% dizem que se sentem convencidos a comprar um produto após assistir vídeo da marca e 66% afirmam que preferem se informar sobre produto por meio de vídeo. Diante disso, o vídeo ao vivo se apresenta como oportunidade de troca de informações entre o cliente e o vendedor. “Que perguntas que meu consumidor está fazendo no chat? É um feedback ao vivo. Se muitas pessoas estiverem perguntando sobre o forro de uma roupa, é um insight para que eu comunique melhor sobre isso no e-commerce”, exemplificaMonique. 

Como fazer uma live?

Para executar uma transmissão de live shopping, Monica diz que é preciso apenas de um aparelho, como um celular, para gravar, e acesso à internet para transmitir. Não é necessária super produção, diz Monique, pois o modelo cresceu com o visual natural, mas essa também é uma possibilidade. A ação pode ser feita pelas redes sociais da marca, YouTube ou pelo site do próprio varejista. Para enriquecer a experiência e coletar diferentes dados, algumas empresas oferecem o auxílio de plataformas específicas para live.

Etienne Du Jardin, também cofundadora e CPO da Mimo Live Sales, diz que a empresa trabalha com tecnologia SaaS (software como serviço) que roda no site ou aplicativo das marcas. A empresa tem, ainda, área de customer experience, que ajuda o cliente no onboarding e na parte de suporte técnico, e a área de customer sucess, que ajuda os clientes a roterizar a live, escolher influenciador, fazer planejamento e com que o ROI seja positivo. 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • EY aponta a mudança da realidade no trabalho

    EY aponta a mudança da realidade no trabalho

    Flexibilidade, IA e wellbeing são os temas prioritários, detalhados pelo sócio de consultoria em gestão de pessoas da EY Brasil, Oliver Kamakura

  • Zenvia: o impacto das redes sociais nas decisões de compra

    Zenvia: o impacto das redes sociais nas decisões de compra

    Pesquisa do Conselho Internacional de Shoppings Centers revela que 85% da geração Z é influenciada principalmente pelo TikTok e Instagram