De estagiária a VP global: os 20 anos de Thais Hagge na Unilever

Buscar
Publicidade

Perfil

De estagiária a VP global: os 20 anos de Thais Hagge na Unilever

A nova VP global de marketing para Seda fala sobre sua trajetória na multinacional e como concilia a carreira com outras áreas da vida


16 de maio de 2024 - 9h23

Thais Hagge é VP global de marketing para Seda na Unilever (Crédito: Arthur Nobre)

A jornada de Thais Hagge na Unilever é marcada por consistência, persistência e o olhar voltado para a transformação. Quem diz isso não é a executiva — embora hoje, após 20 anos na empresa e de malas prontas para Londres, onde atuará como VP global de marketing para Seda, ela tenha segurança para falar com orgulho de sua carreira. Quem a definiu assim foi o time que ela liderou enquanto comandava, por um ano e meio, a unidade de negócio de beleza e bem-estar da companhia no Brasil. 

“Estou sempre em busca daquela coisa a mais, de trazer um outro olhar, e isso é muito importante para o time. As entregas foram muito além do que a gente imaginava, porque eu, de verdade, acredito que a gente pode muito. Ajudar cada um nesse processo me faz uma profissional muito completa. Me sinto realizada quando olho para trás.” 

Apesar da retrospectiva, Thais é conhecida por sempre mirar o próximo passo. Graduada em engenharia, trilhou um caminho de sucesso e crescimento ininterrupto na multinacional britânica de bens de consumo. Começou como estagiária no setor de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens na época em que a Dove lançava a campanha “Real Beleza”, com mulheres de corpos reais, algo impensável para a publicidade até então.  

Depois, encontrou-se no marketing e passou por diversas áreas, sempre assumindo novas posições de liderança. Agora, na cadeira atual, ela abraça o desafio de liderar globalmente uma das marcas de beleza mais icônicas da Unilever, Seda, apontada como uma das 10 mais consumidas do mundo pelo último relatório Brand Footprint, da Kantar, de 2022. 

O compromisso de promover uma beleza condizente com a realidade e a representatividade de todos os tipos de mulheres não parece novidade para a executiva ou para a companhia da “Real Beleza”, mas ela confessa que ainda são muitos os aprendizados, sobretudo diante do posicionamento relevante que Seda tem na Ásia, mercado pouco explorado por ela.  

“Com duas décadas de carreira, é claro que você começa a se questionar se dá para continuar aprendendo. Mas, agora, todos os dias têm sido de aprendizado total. É um consumidor diferente, com outras necessidades, uma cultura diversa, e respeitar tudo isso é superimportante.”  

Beleza feminina, responsabilidade e transformação 

Thais trabalhou com marcas como Rexona, Omo, Hellmann’s e Mãe Terra, e transitou entre os setores de alimentos, cuidados pessoais e desenvolvimento, até chegar à coordenação da América Latina. Antes de assumir a liderança da categoria de beleza em 2022, a executiva passou por mais duas promoções, todas durante as licenças-maternidade de seus filhos João Pedro, de 7, e Rafael, de 4. 

A transição para o universo de beleza, para ela, representava um espaço fértil e uma grande abertura para mudança de carreira e da sociedade, sobretudo no que diz respeito às mulheres. “Usamos produtos de beleza em busca de transformação. E quando falamos que estamos presente em 100% dos lares brasileiros, precisamos entender que nossa responsabilidade é proporcional a essa abrangência. E trabalhar com marcas de beleza traz uma responsabilidade ainda maior”, pontua. 

Segundo a executiva, a categoria influencia diretamente meninas, pois as referências delas estão relacionadas ao que veem na comunicação das marcas. Foi com a migração para o mundo de beleza e bem-estar, portanto, que Thais abraçou a responsabilidade de usar o espaço de liderança para contribuir com a jornada de transformação que a sociedade e essas meninas precisam.  

Mas a experiência da VP global deu a ela uma percepção de relevância para além da comunicação. Muito voltada também para os negócios, Thais avalia a importância de um portfólio focado em diferentes necessidades femininas, para que haja uma entrega consistente de negócios, marca e comunicação.  

“Quando vemos uma marca como Seda, por exemplo, que é líder de mercado presente e massiva, como trazer acessibilidade? Precisamos ter produtos com qualidade para atender a diferentes necessidades da mulher, porque isso também é transformação. Acredito que o portifólio responde a esse desafio primeiro. 

Thais Hagge: “Quando falamos que estamos presente em 100% dos lares brasileiros, precisamos entender que nossa responsabilidade é proporcional a essa abrangência” (Crédito: Arthur Nobre)

Thais lembra quando Seda lançou, há 20 anos, uma linha específica para cabelos crespos no Brasil, exemplo relevante do movimento da marca. “É importante falar e atender os diversos recortes da população, seja aqui ou em qualquer lugar do mundo. É nosso papel servir a pontos de vistas diferentes como marca, e não apenas na comunicação. Não dá para considerar que toda mulher tem as mesmas necessidades, o mesmo poder aquisitivo e acesso igual.” 

O pensamento também se aplica ao time global que Thais acaba de assumir. Para ela, um dos desafios que encara é liderar pessoas muito diversas. “Tenho equipe na Argentina, Filipinas, Índia, China… É um desafio pessoal, porque um time diverso é muito importante na beleza. Você consegue colocar a estratégia em prática mesmo.” 

Fora da zona de conforto 

Quando assume um projeto, Thais diz que começa a pensar no que pode fazer de diferente já no primeiro dia na nova posição. Isto porque acredita na busca constante pela transformação e pelo propósito do trabalho. 

“Mesmo como estagiária, lembro de já ter consciência do meu papel e ver o impacto do que estava fazendo na sociedade com o lançamento de um produto ou de um movimento. Não me contento até conseguir fazer a mudança acontecer. Até porque as barreiras sempre vão existir “, reflete.  

Ao mesmo tempo, a VP conta que a pergunta mais ouvida por ela é o que a faz estar por tanto tempo na mesma empresa. “Nunca tive essa sensação de estar parada ou de faltar algo, porque temos uma infinidade de negócios bastante abrangentes. Você muda dentro da própria companhia, e eu tive realmente grandes oportunidades de trabalhar em diversas áreas.” 

Na Unilever, Thais exerceu posições em toda a América Latina e em parceria com muitos países. Já morou em Londres, em uma oportunidade no time global logo no início da carreira, como assistente de marketing de Knorr, que deu a ela o pontapé para uma jornada cada vez mais próxima do negócio da empresa. Agora, a executiva volta à capital britânica em outro contexto: com família e muitos projetos e prêmios na bagagem. 

Disciplina, equilíbrio e presença 

Mãe, Thais também é casada e encara a família como parte importante da vida. Talvez porque sua família de berço era muito grande, presente e misturada, ela lembra.  

“É óbvio que o tempo todo estamos balanceando as coisas. Não tem como falar que conseguimos fazer tudo ao máximo. Você deve fazer algumas escolhas, mas não preciso escolher entre ser mãe ou profissional. Sou filha, esposa, mãe, profissional, e isso é o que me preenche. Acho que não daria para ser diferente”, diz a executiva, que durante esta entrevista comentou sobre os planos da família com a mudança. 

“É uma vaga internacional. Estamos discutindo como fazer, mas fazemos tudo sempre juntos. Isso para mim é muito importante”. 

Para ser um pouco de tudo, Thais vê o equilíbrio como elemento fundamental, que exerce com muita disciplina, organização e, claro, sempre de olho nos próximos passos.  

“Tenho claras as escolhas que faço. Sei que não vou conseguir buscar meus filhos todos os dias na escola, mas os momentos que escolhi para estar ali, estou. É preciso estar presente. Principalmente com esse mundo tão conectado, é difícil estar 100% ali. O exercício que faço sempre é esse.” 

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Algoritmos novos, vieses antigos: como a IA reforça estereótipos

    Algoritmos novos, vieses antigos: como a IA reforça estereótipos

    Especialistas refletem sobre a urgência de uma abordagem crítica e transparente na implementação de tecnologias de inteligência artificial

  • Alice Pataxó eleva a voz indígena nas redes sociais e no mundo

    Alice Pataxó eleva a voz indígena nas redes sociais e no mundo

    A jovem fala sobre sua trajetória no ativismo e como se tornou uma influenciadora e porta-voz das pautas indígenas