Dia Internacional das Mulheres: Ações das empresas para a equidade de gênero

Buscar
Publicidade

Women to Watch

Dia Internacional das Mulheres: Ações das empresas para a equidade de gênero

Accenture, Basf, Pepsico e Cielo destacam suas ações e iniciativas em prol da igualdade de gênero para celebrar o Dia das Mulheres


8 de março de 2023 - 12h25

Accenture, Basf, Pepsico e Cielo destacam suas ações e iniciativas em prol da igualdade de gênero no Dia das Mulheres (Crédito: Nuva Frames/ shutterstock)

Como as empresas no Brasil tem promovido ações em prol da equidade de gênero (Crédito: Nuva Frames/ shutterstock)

O Fórum Econômico Mundial calculou que levaremos 132 anos para alcançar a equidade de gênero a nível global. Somente para fechar o ‘gap’ de participação e oportunidade econômica, seriam necessários 151 anos. Na América Latina, o estudo contabiliza 67 anos, entretanto, o Brasil não pontua tão bem no ranking. Dos 146 países analisados, estamos na 94º posição. O Dia Internacional das Mulheres nos serve para lembrar que ainda temos um longo caminho a percorrer. 

As desigualdades de gênero no mercado de trabalho são resultadas de diferentes processos. Elas foram construídas a partir de barreiras estruturais de longa data, transformações socioculturais, assim como crises econômicas. Como é o caso das demissões em massa em empresas de tecnologia que tem afetado principalmente as mulheres.  

“Mais mulheres estão se movendo para o trabalho remunerado e, cada vez mais, para cargos de liderança. Entretanto, globalmente, as expectativas da sociedade, as políticas dos empregadores, o ambiente legal e a responsabilização cultural dos cuidados continuam a desempenhar um papel importante na escolha dos caminhos educacionais e das trajetórias de carreiras”, pontua o estudo. 

De modo geral, as mulheres são atravessadas por obstáculos que permeiam toda a esfera de suas vidas e impactam o desenvolvimento de suas carreiras profissionais. Elas são sistematicamente responsabilizadas pelos trabalhos de cuidados da família e casa. Além de serem minoria nos cargos executivos, ainda enfrentam disparidades salariais, e consecutivamente, são mais propensas a sofrer de estresse e burnout. 

Empoderando mulheres

A fim de mitigar esses problemas e promover a equidade de gênero, o Pacto Global das Nações Unidas (UNGC) e a ONU Mulheres criaram os Princípios do Empoderamento Feminino. Trata-se de uma lista de valores para ajudar empresas a adaptar as políticas e práticas existentes para a promoção da igualdade entre homens e mulheres.

Os princípios são:  

  • Estabelecer liderança corporativa de alto nível para a igualdade de gênero;  
  • Tratar todos os homens e mulheres de forma justa no trabalho – respeitar e apoiar os direitos humanos e a não discriminação;  
  • Garantir a saúde, a segurança e o bem-estar de todos os trabalhadores e as trabalhadoras; 
  • Promover a educação, a formação e o desenvolvimento profissional das mulheres; 
  • Implementar o desenvolvimento empresarial e as práticas da cadeia de suprimentos e de marketing que empoderem as mulheres; 
  • Promover a igualdade através de iniciativas e defesa comunitária; 
  • Mediar e publicar os progressos para alcançar a igualdade de gênero. 

      Desse modo, conversamos com quatro empresas, Accenture, Basf, Pepsico e Cielo. As companhias decidiram compartilhar seus esforços para combater as desigualdades de gênero dentro de suas estruturas.  

      Accenture 

      Quadro de funcionários 

      A Accenture estabeleceu a meta de alcançar 50% de participação feminina no quadro até 2025. Atualmente, esse quadro no Brasil está: 46% dos funcionários são mulheres, 30% estão em cargos de nível executivo e 24% nos cargos da diretoria executiva. 

      Já a nível global, 50% das novas contratações e 47% das promoções são femininas. Dessa mesma forma, 47% dos funcionários da Accenture são compostos por mulheres, e o conselho de administração também é formado igualmente por 50%. Por sua vez, nos postos mais altos, as mulheres são 32% dos executivos, 29% dos diretores administrativos e 25% do comitê de gestão global. 

      Potencializando lideranças femininas 

      A Accenture também desenvolve diversas iniciativas para maximizar o potencial das mulheres. Entre elas, o Programa “She Rocks”, que oferece às colaboradoras uma formação capaz de desenvolver a autoconfiança para assumirem posições de liderança com maior capacidade de influência, assertividade e autoridade. Desde o início do programa, em 2017, mais de 600 mulheres já realizaram o curso. 

      Além disso, a liderança é capacitada constantemente para desenvolver skills comportamentais. Um dos destaques é o programa “Lead – Liderança humanizada”, com foco em autodesenvolvimento, empatia, gestão consciente, e autorresponsabilidade. 

      Um mês para elas 

      Em comemoração do Dia Internacional das Mulheres, ao longo de março a Accenture oferece workshops, oficinas e palestras especiais para os colaboradores. Em suma, serão abordados temas como Maternidade e Trabalho, Liderança Feminina, A escolha de não ser mãe, Inteligência Emocional, entre outros. 

      Basf 

      Por sua vez, a companhia química Basf destaca o fomento de um ambiente “diverso, engajado e criativo, no qual opiniões e vivências diferentes se complementam e são respeitadas”. Na América do Sul, a empresa conta com cerca 33,2% de mulheres em todo o quadro e 35,1% em cargos de liderança. 

      Representatividade feminina e grupos de afinidade 

      A estratégia de D&I se intensificou na América do Sul há cerca de 7 anos, e está em contínua evolução, de forma a acompanhar a dinâmica social, demográfica, geracional e cultural dos países onde operamos. 

      “Trabalhamos com intencionalidade nas contratações para aumentar a representatividade de mulheres na Basf. Na América do Sul, temos duas metas que nos direcionam a uma maior representatividade de mulheres em todos os cargos e especificamente em posições de liderança”, explica Barbara Zabori, gerente da área de D&I da Basf para a América do Sul. 

      A fim de impulsionar a equidade interna, a Basf conta com o engajamento dos grupos de afinidades como o WIB (Women in Basf). Essa iniciativa está presente no Brasil, Chile, Colômbia, Peru e Equador; e o We4Her, na Argentina e demais países do cone sul. 

      Programas de treinamentos 

      O WIB atua com o propósito de promover a equidade de gênero e empoderar mulheres em diversos níveis hierárquicos. Desse modo, o grupo atua desenvolvendo talentos e as incentivando a ocuparem cargos de liderança. Para isso, as áreas de D&I e RH da Basf se unem para mapear as expectativas das colaboradoras e, a partir disso, desenvolver programas internos próprios. 

      “Desenvolvemos programas de mentoria para mulheres por meio da plataforma Ment For Me. Além disso, realizamos treinamentos sobre diversidade e inclusão para toda a liderança da América do Sul. Nesses encontros, são abordados temas como vieses inconscientes e como fortalecer uma cultura de segurança psicológica e de valorização da diversidade”, complementa Bárbara. 

      Em resumo, a proposta da mentoria é construir uma ponte entre executivos experientes da empresa com mulheres que tenham metas de desenvolvimento. Por consequência, o programa de mentoria já contribuiu para que mais de 50 mulheres no Brasil conseguissem uma promoção. 

      Recrutamento e seleção 

      Para os processos seletivos de colaboradores de todas as posições, a empresa busca conduzir uma seleção com pelo menos 50% dos candidatos com recortes de diversidade, priorizando gênero, raça, etnia ou deficiência.  

      Nas entrevistas, além do responsável pela vaga, 50% dos entrevistadores devem representar um dos recortes de diversidade (de gênero, raça, etnia, nacionalidade, orientação sexual ou deficiência). A ação tem o objetivo de apresentar contrapontos relevantes para uma seleção menos influenciada por vieses e livre de preconceitos.  

      Cielo 

      Na empresa de tecnologia e serviços para o varejo, as mulheres representam 39% no quadro de colaboradores, porém, a companhia estabeleceu a meta de alcançar 45% de representatividade feminina até 2025. 

      Além disso, a Cielo conta com o projeto “De Bem Com a Vida – Programa de Qualidade de Vida e Bem-Estar do Time”, que existe há 19 anos. O programa tem como objetivo promover iniciativas que melhoram a qualidade de vida e bem-estar de todos os colaboradores. Por meio desse projeto focado na prevenção a saúde, autocuidado e gestão integrada de saúde, a empresa ganhou o Prêmio Nacional de Qualidade de Vida 2018 e 2019.

      Apoio às gestantes 

      Em primeiro lugar, a “Sementinha” é uma ação para as gestantes que oferece apoio e suporte com diversas especialidades. Além disso, as futuras mães possuem prioridade de atendimento nos serviços Incompany, e acesso a trilhas de conteúdo sobre parentalidade consciente, que incluem encontros periódicos, sala de amamentação com estrutura física e kit completo para coleta de leite. Em datas como o Dia das Mães, o Dia dos Pais e o Dia das Crianças, ocorrem mais ações de ativação para celebrar a parentalidade materna e paterna. 

      Mentorias e desenvolvimento de carreiras 

      Ademais, a Cielo conta com o “Programa de Mentoria para Mulheres (Aceleração de Carreira)”, que tem como objetivo aumentar a representatividade de mulheres na liderança e apoiar o desenvolvimento de suas carreiras. Dessa maneira, a Cielo usa resultados concretos de curto e médio prazos para avaliar a iniciativa, que conta com um time multidisciplinar. 

      Em síntese, o programa conta com 4 fases: planejamento, que consiste numa pesquisa online e entrevistas com as potenciais mentoradas; Empatia, com sessões de preparação, encontros 1:1, letramento sobre diversidade de gênero e interseccionalidade; Mentoria, para apoiar o plano de desenvolvimento individual, com um book para avaliação de resultados; E sustentação, que consiste em reuniões de monitoramento e a organização de eventos com referências do mercado. 

      Pepsico

      Por sua parte, a Pepsico possui uma agenda de DE&I alinhado à estratégia ESG global da companhia, PepsiCo Positive (pep+), que coloca o cuidado com as pessoas e com o meio ambiente no centro do negócio. Hoje, a empresa conta com 49% das posições de liderança ocupadas por mulheres, número muito próximo à meta de chegar a 50% até 2025. Consecutivamente, no comitê executivo (C-Level), as mulheres são maioria, ocupando 60% das cadeiras. 

      Em suma, as principais ações da empresa são direcionadas às mães e gestantes, porém, a companhia também possui um grupo de afinidade formado por funcionárias (os), chamado EmpoderA, que tem como objetivo fomentar discussões acerca do tema. Ademais, a empresa preza pela flexibilidade da jornada de trabalho, a fim de proporcionar o equilíbrio entre família e carreira.

      Benefícios para gestantes 

      O principal programa da companhia voltado para mulheres é o Doce Começo, que já existe há mais de 10 anos, e oferece suporte em todo o período de gestação, nascimento ou adoção. Logo, o programa visa apoiar os talentos da PepsiCo nessa fase, para que seja um momento com mais flexibilidade, de cuidado com a saúde e acolhimento.  

      No segundo semestre de 2022, a Pepsico ampliou esse programa de benefícios e implementou o Minha Hora, que oferece um reembolso anual de até R$ 25 mil, para funcionárias que optam por tratamentos de reprodução assistida; como fertilização in vitro, inseminação artificial, além de congelamento de óvulos, entre outros procedimentos. 

      Licença maternidade estendida  

      Por fim, a empresa também oferece licença maternidade estendida por até seis meses, além da possibilidade da licença paternidade (parental) estendida por até 30 dias. Conforme a política de flexibilização da jornada de trabalho, as mães cumprem apenas meio período de trabalho no primeiro mês após o retorno. Além disso, o programa também inclui o acompanhamento com doulas, para apoio à amamentação, nutrição e outras necessidades da mãe e do bebê. 

      Publicidade

      Compartilhe

      Veja também

      • Jacqueline Conrado: por mais mulheres na cabine de comando

        Jacqueline Conrado: por mais mulheres na cabine de comando

        A Country Manager da United Airlines é uma das primeiras e únicas executivas de companhias aéreas que operam no Brasil 

      • Confira as novas colunistas do Women to Watch

        Confira as novas colunistas do Women to Watch

        Executivas da Mynd, Unilever, Reckitt e Vibra Energia integram o time de autoras que compartilham seus pontos de vista na plataforma