Pilha no Brinquedo #15: Laços fracos

Buscar
Publicidade

Opinião

Pilha no Brinquedo #15: Laços fracos

Os “laços fortes” estariam relacionados a conexões íntimas com familiares e amigos, já os “laços fracos” a nossas relações cotidianas, nas redes sociais


5 de julho de 2024 - 8h00

A primeira vez que escutei a respeito, foi nesta entrevista da CBN (link no final do texto). Juro que fiquei impressionada, pois fui condicionada a pensar, que o “correto” ou talvez o mais “eficiente’” seria sempre optar por laços que pudessem ser fortes o suficiente, e somente estes, seriam capazes de gerar verdadeiras conexões. Por mais contrastante que possa parecer, existe algo relevante e mobilizador no que chamamos de “laços fracos”, que interfere nas relações sociais de forma efetiva.

A teoria não é nova, mas diria que pertinente e atual: segundo Mark Granovetter (1973), a difusão de informações e a mobilidade social podem estar entrelaçadas. Trocadilho ou não, o fato é que essa teoria, nos traz um pensamento de que estes “laços” são capazes de conectar diferentes grupos sociais, diferentes círculos sociais, como uma corrente de novas conexões – e por consequência, traria benefícios concretos.

O primeiro deles é a o que Mark chama de “eficiência na difusão de informações”. Os laços fracos facilitam a disseminação rápida de informações novas e variadas entre diferentes grupos sociais, que já estão conectados, e são ativados. Não é comum ouvir que as mesas de bar são grandes disseminadores de informações?! Pois é… não necessariamente você está em um ambiente 100% seguro, mas muita coisa rola depois de umas e outras e você fica sabendo de coisas que não saberia nem pelo seu laço forte.

O segundo, é a possibilidade de gerar mobilidade social. Ou seja, permitem acesso a recursos e oportunidades fora do alcance dos alguns “laços fortes”, contribuindo para a mobilidade socioeconômica. Ex. Já pensou que aquele alguém com quem você eventualmente tomou café em algum lugar junto, pode lembrar de uma você numa indicação de emprego?

O último, mas não menos importante é a integração, que gera “diversificação de tribos”, nem que seja intelectual. Mas como? Essa conexão fomenta a interação entre diferentes tribos e grupos. O gatilho está em ficar atento a qualquer possiblidade de interação como uma conexão interessante, o que pode incluir pessoas que você nunca pensou. Sabe o papo no elevador que gera negócio, com alguém que você nunca conversou antes? Faz sentido, se considerarmos que o “laço”, independentemente da sua força, é o elemento de ligação entre as pessoas que participam de uma determinada rede. Os “laços fortes” estariam relacionados a conexões íntimas com familiares e amigos, já os “laços fracos” a nossas relações cotidianas, nas redes sociais. Por estarem distantes ou pertencentes a outros grupos, outras referências, os “laços fracos” são capazes de levar sua mensagem “compartilhada” a outras pessoas, de outros círculos: seja seus próprios círculos com laços mais fortes ou a outras pessoas com laços mais fracos. E, assim, a propagação da mensagem continua criando possibilidade de novas conexões. O que é diferente do que acontece com uma mensagem difundida com os “laços fortes”. A meu ver interessante e verdadeiramente poderoso. Para mim, já gerou até negócio.

Quer saber mais?

  • https://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/409182/importancia-dos-lacos-fracos-nos-relacionamentos.htm
  • GRANOVETTER, M. (1973). The strength of weak ties. In: American Journal of Sociology, University Chicago Press, Chicago, v. 78, Issue 6, p.1930-1938

Pilha no Brinquedo #7: Flywheel – A roda de tração

Pilha no Brinquedo #8: Risco, retorno & recompensa

Pilha no Brinquedo #9: Diário secreto > jornada de empatia

Pilha no Brinquedo #10: Cópia ou original? Como gerar diferenciação

Pilha no Brinquedo #11: I-negociável, desbloqueando o potencial do conflito

Pilha no Brinquedo #12: O ovo Perfeito > Re-skillikg e Upskilling

Pilha no Brinquedo #13: Blue ou Silver > longe-vida-de

Pilha no Brinquedo #14: Tá brincando?? > Gamificação

Publicidade

Compartilhe

Veja também

  • Além das dancinhas do Tiktok

    O papel dos influenciadores nas causas sociais

  • Pilha no Brinquedo #20: Obrigada > Amor e Gentileza

    Por que não iluminar o dia de alguém? É obvio, aqui agradeça a gentileza de compartilharem a reflexão sobre este tema comigo, iluminando também o meu caminho